domingo, 10 de janeiro de 2010

Azul - Bernardo Linhares

Assunto: DE REPENTE...
Data: 10/Jan 16:27
...E TUDO ACONTECEU COMO EU JÁ NÃO ESPERAVA...TÃO INUSITADO...TÃO DE REPENTE...TÃO VERMELHO DE PAIXÃO...TALVEZ POR ISSO A FORÇA DA CANÇÃO QUE DOS MEUS LÁBIOS BROTOU. ABRI O BAÚ DA ESPERANÇA E TODOS OS SENTIMENTOS SAIRAM EM LIBERDADE....ENSAIEI UM SORRISO LEVE E SOLTO COMO UM PÁSSARO QUE DE UM TRONCO LEVANTA VOO.RODOPIEI ESTONTEANTE NUMA BELA VALSA SEM FIM...DEITEI PAREDES ABAIXO,E DEIXEI A VIDA ENTRAR...DEPOIS, VIM PARA A RUA GRITAR, DIZENDO A TODA A GENTE, QUE CINZENTA E TRISTE SE ARRASTAVA, COM OLHOS POSTOS NO CHÃO,QUE OLHASSEM MAIS ALÉM E APRISIONASSEM A DÔR, POIS, MESMO DEPOIS DO MAIOR DESESPERO É SEMPRE POSSÍVEL O AMOR...EM ANEXO UM BEIJO!
.
Distribuído por Moranguinho Pereira (hi5)
.
.

AZUL

.

Tecendo e penetrando a nova aurora,

a lua nova agora devaneia.

Além da vela, vibra a flor da flora.

O azul cavalga o dorso da sereia.



Nascendo rosa em toda passiflora,

clareia o amarelo e o azul semeia.

Seus tons, seus entretons, fazendo a hora

o azul cavalga o dorso da sereia.



No verde, coroada por gaivotas,

a lua nova permanece acesa.

Feliz, a cor do mar dá cambalhotas



mostrando sobre as águas seu sorriso.

A vida segue a trilha da beleza

do azul que faz de tudo um paraíso.
.
.

BERNARDO LINHARES
.
.

Sem comentários: