quinta-feira, 8 de abril de 2010

Que pode uma criatura - Carlos Drummond de Andrade,

Assunto: O Pintor da Noite
Data: 7/Abr 19:02
Saíste ontem á noite pela cidade abraçando o silêncio e iluminando as ruas por onde passavas com o brilho lume do teu olhar. Desenhaste letras pelas paredes das casas adormecidas, pelas passadeiras onde o preto e branco comunicam, no chão dos jardins onde apenas estava alerta a dama da noite. Procuraste lembrar-te dos meus caminhos e percorreste-os pausadamentem achando o que de mim neles vou deixando. Assinaste o teu nome a seguir á última palavra que inventaste, saboreando o prazer que, sabias, eu sentiria ao lê-la, no momento em que o primeiro raio de sol acordou, e partiste para casa de alma lavada e coração leve.

Nessa manhã, que seria como todas as outras, o meu nome saudou-me, desenhado na calçada, dando-me os bons dias.Porque não me admirei?....porque de imediato vi que fôras tu a escrevê-lo. A tua ternura adornava cada letra, e tu és o homem que, estende o braço e me coloca uma estrela nos cabelos. Contigo tudo se torna simples e possível.

Embrenhada em ti segui caminho, e depressa me rodeou uma exaltação estranha e diferente como se fosse o calor e a batida de um enorme coração pulsando.Procurei o porquê. As pessoas paravam em grupos, olhavam, algumas ficavam e outras partiam em frente com um leve sorriso desenhando-se no rosto. Foi então que comecei a descobrir a tua carta. Nosso amor único tinha assaltado a rotina, e ali estava, claro e belo, em frases que me inventavas, chamando-me de todos os lados. Nos enormes anúncios de néon a palavra 'amo-te' gritava em todas as cores....as paredes exibiam, vaidosas, as palavras lindas com que as tinhas decorado....até no perfume do ar se advinhava a transparência do teu amor.

Transformaste o cenário. Ninguém conseguiu ficar indiferente a algo tão simples mas tão inusitado. Respira-se alegria, sorriem os olhares, pressentem-se novos planos, mil sonhos a nascer. Ao mostrares a todos que é sempre possível e desejável entregarmo-nos ao amor tocaste o coração da cidade. Cada um guardou para si uma côr, neste arco-íris de imenso afecto e sentimento, e nunca mais as suas vidas serão as mesmas....... tudo isto apenas porque me amas e numa noite decidiste dizer a toda a gente o que até então só eu sabia... em anexo um beijo!
.
Distribuído por Moranguinho Pereira, (hi5)


QUE PODE UMA CRIATURA



Que pode uma criatura senão,
entre outras criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?
.

CARLOS DRUMMOMND DE ANDRADE 
.
.

Sem comentários: