quinta-feira, 19 de abril de 2012

Maria Teresa Horta - Joelho




MARIA TERESA HORTA, in SÓ DE AMOR (Quetzal, 1999)

JOELHO

Ponho um beijo
demorado
no topo do teu joelho

Desço-te a perna
arrastando
a saliva pelo meio

Onde a língua
segue o trilho
até onde vai o beijo

Não há nada
que disfarce
de ti aquilo que vejo

Em torno um mar
tão revolto
no cume o cimo do tempo

E os lençóis desalinhados
como se fosse
de vento

Volto então ao teu
joelho
entreabrindo-te as pernas

Deixando a boca
faminta
seguir o desejo nelas

*

Óleo s/ tela: Lady on knees, por Smadar Katz

*

(LT)



 foto de Quem lê Sophia de Mello Breyner Andresen.

Sem comentários: