terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Poema Natural - Adalgisa Nery

Assunto:
SER POETA...
Data:
12/Jan 15:16
NUNCA PODERIA SER POETA...LIMITO-ME A LER E A VIVER A POESIA. POR VEZES PENSO: QUE POEMA TÃO TRISTE!...COMO DEVIA DOER O CORAÇÃO E A ALMA DE QUEM O ESCREVEU! DE CERTEZA NINGUÉM O COMPREENDEU NO MUNDO REAL, E ELE FOI PEGANDO CUIDADOSAMENTE NAS PALAVRAS, AQUI E ALI ARREMESSADAS AO CHÃO,GRITADAS, DESPREZADAS, CUSPIDAS E COM CARINHO, COM LÁGRIMAS, REFEZ COM ELAS O SENTIDO DO QUE ERA A SUA VIDA....SURGE ENTÃO O POEMA,PUNGENTE, DOLORIDO. NOS DESVARIOS DA VIDA, PODE ATÉ ACONTECER QUE ALGUÉM QUE O DESTRATOU VENHA A LER O POEMA E O ELOGIE, NUMA INTELECTUALIDADE PRETENSAMENTE SUPERIOR. NINGUÉM PENSA NO POETA.MAS EU NÃO CONSIGO DEIXAR DE O IMAGINAR, NO MEIO DA SOLIDÃO E EM SILÊNCIO, SOFRENDO A CADA PALAVRA QUE DESENHA NO PAPEL.NÃO, EU NÃO PODIA SER POETA.APENAS SEI QUE,QUANDO A VIDA ME OPRIME...ESBRACEJO.QUANDO A ALMA ME DÓI...GRITO.SE O AMOR ME ABANDONA...APENAS CHORO. TODA A MINHA REVOLTA FICA PRESA EM MIM, NÃO SEI COMO A TRADUZIR EM POESIA E OFEREÇÊ-LA AO MUNDO....POETA?!...É BEM MAIS DO QUE EU. EM ANEXO UM BEIJO!
.
Distribuído por Moranguinho Pereira (hi5)
,.
.

POEMA NATURAL
.

.
Abro os olhos, não vi nada
Fecho os olhos, já vi tudo.
O meu mundo é muito grande
E tudo que penso acontece.
Aquela nuvem lá em cima?
Eu estou lá,
Ela sou eu.
Ontem com aquele calor
Eu subi, me condensei
E, se o calor aumentar, choverá e cairei.
Abro os olhos, vejo um mar,
Fecho os olhos e já sei.
Aquela alga boiando, à procura de uma pedra?
Eu estou lá,
Ela sou eu.
Cansei do fundo do mar, subi, me desamparei.
Quando a maré baixar, na areia secarei,
Mais tarde em pó tomarei.
Abro os olhos novamente
E vejo a grande montanha,
Fecho os olhos e comento:
Aquela pedra dormindo, parada dentro do tempo,
Recebendo sol e chuva, desmanchando-se ao vento?
Eu estou lá,
Ela sou eu.
.
.

ADALGISA NERY
.
.

Sem comentários: